sábado, 17 de março de 2012

Precisamos de Deus para o Universo Existir?

Hawking acha que não,  veja aqui e tire suas conclusões.









Vou deixar esta filosofia com vocês. Se deus criou o universo, ele é muito mais complexo que o universo em si correto? Sim.
De onde veio Deus? Do nada ou sempre existiu? Tanto faz. 
O que é mais fácil de se fazer? Algo mais ou menos complexo? Menos complexo com certeza você diria, sim esta e a parte racional da sua mente funcionando, é mais fácil construir uma cadeira do que um foguete que vá até a lua. Então o que é mais fácil ter sido criado do nada ou ter sempre existido? Algo mais ou menos complexo? A resposta filosófica é simples, "a existência de algo mais simples é mais provável que algo mais complexo". Assim a filosofia que Aquino esta errada ao afirma que deus é origem de tudo. Mas isto é fácil fazer com filosofia, criar e descria algo com a razão é simples. Mas existe a ciência e nela se repousa a resposta, como?

Exemplo do mosquito da dengue, vamos usar só a filosofia, sem a verificação cientifica, vou afirmar as seguintes coisas como premissas.
1- Uma pessoa que tem a doença ao ser picada por um mosquito, passa a doença para o mosquito.
2- Este mosquito com a doença ao picar outra pessoa sem a doença, passa a doença para esta outra pessoa.
3- Esta pessoa com a doença se cura e passa a ser imune aquele tipo da doença.

A pergunta é, usando somente a filosofia como base:

Se um mosquito sem a doença picar uma pessoa já imune, e depois picar uma pessoa não imune, o mosquito  passa a imunidade?

Usando só a filosofia e os 3 pré supostos mencionados, a resposta é óbvia, SIM, ele irá passar a imunidade já que da mesma forma ele passou a doença.

Agora vamos olhar a natureza com ciência, e vamos descobrir que o mosquito não passa a doença, passa um vírus, e a pessoa curada não fica imune, mas o corpo "aprende" a combater aquele vírus. O mosquito não consegue depois transmitir este "aprendizado" para outro corpo, isto é, causa sem efeito, o corpo do curado sabe como combater, ele é picado, causa, e depois repassa para outro corpo que não sabe combater, qual efeito? NENHUM.

Então com a filosofia, podemos brincar em uma vasto campo de possibilidades, mas somente com a ciência é que podemos realmente conhecer. Hawking e todos os cientistas tem como objetivo procurar a verdade, e não filosofias que não levam para lugar algum, a filosofia serve para montar premissas e não dar respostas definitivas, para respostas, precisamos da ciência, Hawking usa uma ciência avançada, baseada sim em observações, faltam mais dados? Sim. Mas este é o caminho da ciência e não da mágica de retirar argumentos da cartola filosófica.

30 comentários:

  1. A "questão" para ser resolvida pela filosofia é d uma ignorância ímpar, sem dúvida.

    ResponderExcluir
  2. Nossa mas você gosta deste blog heim rsrsrs. É sempre assim, negação.

    ResponderExcluir
  3. amigo, você é um pouco deslocado no espaço tempo, acho que não entendeu o que eu quis mostrar, e acho que é bem simples, eu quis mostrar que a filosofia é absurda e que qualquer um com simples intuição vai criar erros, se aqui uso uma filosofia capenga para demonstrair isto é justamente porque 99,9% das pessoas no mundo usam filosofia sem sentido. O que é o pensar humano sobre uma questão? Na visão de muitos o pensar é um ato de filosofar, pensar errado ou certo são as consequencias disto, mostro que só pensando não solucionamos nada na humanidade, precisamos de algo maior que a filosofia para dar sentido a vida, isto é a ciência. Mas sinceramente para quem se acha o inquisitor dos ateus e principalmente pelo que vejo você tem problemas de auto controle e usa da perogativa de axincalhar com a pessoa com quer discutir, isto é, ZERO de civilidade, não vou dar perola ao porco.

    ResponderExcluir
  4. sim, gosto do blog!
    dizem que rir faz bem.
    Vou comentar um pouco sua questão no meu blog.

    ResponderExcluir
  5. Ótimo, rir faz bem ativa uma série de estímulos no cérebro ainda mais quando usamos de processos de ridicularização e exposição do envolvido, é um tipo primitivo de usar argumentação baseada neste tipo de ações, um tanto baixo, mas rende muito para TV's e programas como Panico, ridicularizar e expor é o que este programas baixos fazem. Fazer isto na internet, caçando blogs, é um tipo de neurose, amigo sério você tem problemas, você ataca pessoas não idéias, se não concorda com a ideia exponha ideia, trabalhe a mesma, mas pelo jeito não é assim que você gosta de "trabalhar" para alimentar de sua neurose, caça blogs e pessoas, para satisfação pessoal as ridiculariza e as expõe de maneira vulgar. Ser recalcado como você é, sem saber, logicamente, deve te divertir muito, mas cada palavra que você diz ou vem aqui comentar, ou põe em seu blog, querendo colocar coisas fora do contexto, com o seu entendimento parco, tudo isto, não passa de sua neurose perseguindo pessoas que não conhece porque não consegue entender o que eles falam. O que resta se não ter pena. Agora fique ai com suas opiniões e eu fico com a minha.


    Ps. Seu blog é tão baixo quanto as suas idéias, um dia quem sabe terá capacidade e inteligencia para discutir idéias.

    ResponderExcluir
  6. Sim, eu vou ridicularizar você e suas ideias totalmente retardadas.
    Para além disso, convido você e qualquer ser racional para dizer que as pérolas de seres tão geniais como você que estão no meu blog são coisas descontextualizadas. Os links para os posts originais estão no blog, e se não tiver no blog eu tenho arquivado; chame uma tropa para auxiliar você.
    Do contrário, é blefe de preguiçoso.
    Ps: O meu blog não é de discussão. Não discuto burrices. O mínimo que poderiam fazer (como outros já fizeram), é reconhecer o erro. Humildade não costuma fazer mal.

    ResponderExcluir
  7. Amigo o único erro esta na minha falta de tempo e vontade de escrever e mostrar o meu ponto de vista, mas depois fiz nos comentários. E tem mais um detalhe você em nenhum momento atacou o que eu disse, me atacou pessoalmente isto você faz muito, já que te falta personalidade para discutir as coisas em um nível menos baixo. Não discute burrices? Nossa você se da um trabalhão pegando coisas aqui e publicando FORA DE CONTEXTO no seu blog, para algo que você considera burrice. Meu amigo, burrice é a sua se incomodar com isto. Eu sinceramente NUNCA vou me incomodar com o seus post’s, mesmo porque só visitei uma vez o seu blog, nunca vou comentar no seu blog, nunca vou falar das bilhões de baboseiras pseudo-filosóficas que você publica. Sabe por quê? Porque te acho desajustado, porque pega coisas em outros blogs e ataca as pessoas no seu, imagino um louco recortando, colando e dizendo injurias a esmo, trancado em um quarto escuro, esperando um ou dois pardais gralharem para os seus recortes. Pena, esta é a palavra.

    ResponderExcluir
  8. Eu não quero você comentando em meu blog pq lá já tem muito lixo ateu. Dispenso isso em forma de comentários em meu blog, embora você seja livre.
    Curiosíssimo é que você fala insistentemente que eu apenas ataco as pessoas, mas em todos os seus comentários feitos aqui você me atacou insistentemente.
    De resto, o convite continua: convido você e qualquer ser racional para dizer que as pérolas de seres tão geniais como você que estão no meu blog são coisas descontextualizadas. Os links para os posts originais estão no blog, e se não tiver no blog eu tenho arquivado; chame uma tropa para auxiliar você.
    Do contrário, é blefe de preguiçoso.

    ResponderExcluir
  9. Eu não te ataco em nenhum post.
    É SIM DESCONTEXTUALIZADO, um recorte somente.
    Te ataco aqui nos comentários, mas não vou fazer um post para atacar você. E novamente, você é baixo, eu só mostro o quanto você é baixo, você não sabe discutir, você xinga, é grosseiro, não quer mostra o ponto de vista, ninguém quer isto, já fui visitado por pessoas que querem discutir e mesmo você quando apresentou argumentos, mesmo com vários e vários xingamentos nos discutimos, mas assim não dá, você recorta algo meu e xinga até não querer mais em seu blog e ainda me chama de preguiçoso ahahahha, meu amigo se situa.

    ResponderExcluir
  10. Euclides F. Santeiro Filho30 de maio de 2012 11:19

    Yuri, não crendo a inépcia do Pedro ser fruto da mesma preguiça do blefe, darei uma oportunidade para o cidadão "discutir as coisas em um nível menos baixo". Sinta-se a vontade em me refutar, Pedro, com argumentos melhores do que os usados até aqui por você. Dou-me ao trabalho de interpelá-lo - além de por não ter coisa melhor a fazer - em respeito a um navegante azarado da internet que dê de cara com uma explicação tão grotesca sobre filosofia e ciência. Sinto-me um pouco covarde, dado o cabedal intelectual do meu "adversário", mas a vida nos leva aonde nos leva. Encontrasse eu um texto intelectualmente mais denso, estaria aprendendo em silêncio em vez de tentar ensinar algo, com toda a humildade, para alguém. Alguém esse que demonstra dificuldade não só no entendimento das idéias que quer discutir, mas no manejo mais básico da linguagem, expressando-se de maneira a dificultar uma leitura fluida. Sem nenhum preconceito lingüístico, é inadmissível que um dito pós-graduado em seja lá o que for tenha um "velho e péssimo português". Agüentar eu agüento, Pedro, mas fico pasmo com as exigências dos cursos superiores brasileiros. Ressalvas iniciais feitas, vamos lá...

    --------------------

    "Vou deixar esta filosofia com vocês. Se deus criou o universo, ele é muito mais complexo que o universo em si correto? Sim."

    "...se aqui uso uma filosofia capenga para demonstra ir isto é justamente porque 99,9% das pessoas no mundo usam filosofia sem sentido..."

    1 - Independentemente da tentativa posterior de justificar a sua conceituação do ato de filosofar, se você lança uma hipótese deve demonstrar os motivos que o levam a uma conclusão. No caso da sua primeira pergunta, seria necessário antes de tudo você definir o termo "complexo". Uma vez feito isso, você deveria demonstrar a inexorabilidade de uma criação ser mais complexa do que seu criador. O mero empirismo não poderia ser aplicado sobre a hipótese levantada, pois, a priori, o objeto a qual se refere (Deus) é desconhecido. Você incorre num erro que é capaz por si próprio de constatar:

    --------------------

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Euclides F. Santeiro Filho31 de maio de 2012 08:57

      ***CORRIGINDO***

      Onde está escrito "criação ser mais complexa", leia-se "criação ser MENOS complexa".

      Excluir
  11. Euclides F. Santeiro Filho30 de maio de 2012 11:21

    "...eu quis mostrar que a filosofia é absurda e que qualquer um com simples intuição vai criar erros..."

    2 - Ignorando (por enquanto) o seu vai-e-vem conceitual sobre a filosofia, verifica-se que seu raciocínio intuitivo acerca das características de Deus não demonstra em nada sua conclusão (Sim) a respeito da complexidade do suposto criador do universo. Se a conclusão é errada ou certa isso depende do conhecimento do objeto analisado. A única correção possível para a falha no seu argumento seria você alegar conhecer Deus. Quer ir por esse caminho?

    Quanto a uma hora dizer que usa algo de modo capenga porque 99,9% o usam da mesma forma e outra dizer que esse algo é absurdo, só posso concluir que o fato de 99,9% não dominarem física quântica a torna absurda. Revisemos isso, pelo bem da lógica, sim? Seu malabarismo semântico não resolveu a sua injustificável conceituação de filosofia e ainda deu brecha para eu conceituar igualmente a ciência moderna.

    --------------------

    ResponderExcluir
  12. Euclides F. Santeiro Filho30 de maio de 2012 11:23

    "O que é mais fácil de se fazer? Algo mais ou menos complexo? Menos complexo com certeza você diria, sim esta e a parte racional da sua mente funcionando, é mais fácil construir uma cadeira do que um foguete que vá até a lua. Então o que é mais fácil ter sido criado do nada ou ter sempre existido? Algo mais ou menos complexo? A resposta filosófica é simples, "a existência de algo mais simples é mais provável que algo mais complexo".

    3 - Continuando o raciocínio indutivo você chega a uma contradição evidente em sua nova conclusão. Se "a existência de algo mais simples é mais provável que algo mais complexo", por que existe algo complexo em vez de algo simples? Você deságua, em sua idéia, na improbabilidade de Deus ao mesmo tempo que não percebe a improbabilidade do universo ou da espécie humana. Se somos improváveis e existimos, por que Deus não existe? Porque é mais complexo? Então, não existimos para um ser unicelular?

    O pior de tudo é que antes mesmo da contradição verifica-se que a suposta resposta que você dá para suas indagações sequer é uma resposta, mas sim um raciocínio circular. Você diz algo como: "O que é mais fácil existir, A ou B?" e responde: "A, porque A é mais provável do que B." Caramba, genial!

    Embora você peque e muito na maneira de se expressar, com algum esforço é possível entender o que você quer dizer. Creio que a "facilidade da existência de algo" a qual se refere aponte para a recorrência de um fenômeno na realidade, a tal "probabilidade". É mais provável, empiricamente falando, darmos de cara no universo com algo "simples" (átomos) do que com algo "complexo" (seres vivos). Você só não entendeu, como já citado, que a probabilidade nada diz a respeito da existência de um fenômeno, só fornece dados estatísticos a respeito de algo que necessariamente existe. Não há como quantificar estatisticamente uma hipótese. Você poderia dizer qual a probabilidade de existir uma pedra com cerca de 25 cm ao lado de uma pedra com cerca de 12 cm na superfície de um planeta fora do escopo observável do universo?

    Ademais, o exemplo que dá da cadeira e do foguete é, além de despropositado, mais um argumento teísta do que ateu. Você usa os termos "fazer" e "construir" que pressupõem um agente. Seu argumento apenas diz que seria mais fácil para um criador construir uma cadeira do que um foguete e não que é "mais fácil" sempre ter existido uma cadeira em vez de ela ter sido criada por algo mais complexo do que ela. Bom, já ficou claro para você que pelo seu raciocínio a pessoa que inventou a cadeira provavelmente nunca existiu?

    --------------------

    ResponderExcluir
  13. Euclides F. Santeiro Filho30 de maio de 2012 11:24

    "Assim a filosofia que Aquino esta errada ao afirma que deus é origem de tudo. Mas isto é fácil fazer com filosofia, criar e descria algo com a razão é simples. Mas existe a ciência e nela se repousa a resposta, como?"

    4 - Aqui você dá um salto argumentativo incrível, sem ao menos situar o leitor de onde veio a citação à filosofia de Aquino. Sugere, de maneira intelectualmente desonesta, que refutou o filósofo nos parágrafos anteriores, isso sem nunca ter elencado os argumentos do dito cujo para a existência de uma entidade criadora de tudo. Depois, explicita a todos o seu cientificismo ao decretar que "nela (ciência) se repousa (sic) a resposta". Não entendi bem qual resposta seria, mas para haver alguma coerência deveria ser a respeito da existência ou não de Deus. Só que isso não segue do resto do seu post.

    --------------------

    ResponderExcluir
  14. Euclides

    Lido, anotado e compreendido.

    Obrigado pela explanação. Não tenho tempo para responder, concordo em muitas coisas. Inclusive na precariedade dos cursos aceitarem pessoas como a minha, que não consegue redigir uma redação de forma elementar.

    Um dia com o devido tempo e "saco", coloco aqui de forma clara e esclarecida, com as devidas citações feitas de forma coerente e precisas, alinho o meu pensamento com as vertentes filosóficas, diversas.

    Mas hoje o meu texto é este.

    Obrigado pelos comentários.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Euclides F. Santeiro Filho30 de maio de 2012 12:07

      Eita, sua resposta entrou antes de eu terminar meus comentários!

      Bom, espero que essa sua humildade seja sincera, e que você esteja reconhecendo que falhou com o Yuri. Pois, embora ele não tenha explicado com mais afinco os motivos de ter citado o seu site como um “produtor de pérolas do novo ateísmo”, fica claro na minha longa análise que ele partia de pressupostos. Se tais pressupostos não foram explicitados com a devida paciência é pelo motivo óbvio de você ter tratado com igual desdém seus leitores, não procurando pontuar as coisas de maneira mais fundamentada.

      Aguardarei seus esclarecimentos, embora já esteja positivamente surpreso com o fato de não haver censura prévia no seu blog.

      Abraços.

      Excluir
    2. sobre o seu ultimo comentário, vou deixar claro algumas coisas.

      Não censuro ninguém, todos tem a liberdade de se expressar da maneira que acharem conveniente. Logicamente que agressões como o Yuri faz, são ridículas, escrever o que ele escreve é baixo.

      E não acho que vocês estão corretos, nada do que você disse ou do Yuri. Só não tenho tempo para refutar. Eu penso de forma diferente.

      Penso que só a ciência pode dar uma resposta sincera, goste ou não.

      E não falhei com ninguém. O único que falhou em algo foi o Yuri me blasfemar em seu blog, coisa gratuita e sem necessidade. Mas ele tem problemas, não é só com a minha pessoa.

      Só um detalhe quando falo que não existe, ou que é a verdade final, são somente em relação as evidências que temos hoje. Isto é a minha premissa, "sem evidência, tudo é besteira", inclusive a filosofia. E você mesmo mostrou isto em um longo comentário, as besteiras que escrevi. Porque? Não tem evidência.

      Pense nisto.

      Excluir
    3. Euclides F. Santeiro Filho30 de maio de 2012 13:14

      Bom, Pedro Soethe não censura ninguém exceto Pedro Soethe.

      Vi o seu comentário anterior a esse, logo abaixo da minha refutação de número oito, repentinamente desaparecer. Ele dizia isso:

      “só um adendo
      sem evidência = perda de tempo
      inclusive o que você teve escrevendo isto tudo”

      O que é perda de tempo para uns pode ser ganho de tempo para outros. Pensava eu que o excerto “em respeito a um navegante azarado da internet que dê de cara com uma explicação tão grotesca sobre filosofia e ciência” já fosse capaz de patentear isso.

      No mais, você precisa definir o que é evidência antes de atrelar a ausência da dita cuja a uma suposta perda de tempo. Qual é, por exemplo, a evidência de que a velocidade da luz há bilhões de anos (se é que houve bilhões de anos atrás) era e mesma de hoje? A datação da idade do universo, bem como todas as teorias a respeito do passado do cosmos, baseia-se em cálculos que tratam a velocidade da luz como uma constante desde sempre e em todo lugar do universo. Tal tratamento é uma hipótese, dado que o passado é atualmente inacessível. Idem para a macroevolução. Dizer que nosso código genético é mais parecido com o de seres que mais se parecem conosco é patético. Não demonstra nenhuma relação de parentesco, mas sim uma POSSÍVEL relação de parentesco. Inferir que somos parentes de um peixe porque compartilhamos genes específicos é o mesmo que dizer que a cadeira da minha sala tem relação de parentesco com a cadeira da sua porque elas foram pregadas com o mesmo modelo de prego.

      Já quanto às afirmações:

      “E não acho que vocês estão corretos, nada do que você disse ou do Yuri. Só não tenho tempo para refutar.”

      “E não falhei com ninguém.”

      Elas são mutuamente excludentes. Ou você tem tempo para refutar algo que refuta outro algo para o qual você teve tempo de externar publicamente, ou falha não só comigo e com o Yuri, mas com a razão que tanto defende, alegando algo como incorreto sem nenhuma demonstração racional da validade dessa alegação.

      “E você mesmo mostrou isto em um longo comentário, as besteiras que escrevi. Porque? Não tem evidência.”

      Exato. Ao menos em algo concordamos. Apenas, como já coloquei acima, é preciso definir o que é evidência e o que não é. Repito: você dizer que não existe evidência suficiente que sustente uma determinada crença não torna sua fala uma verdade auto-evidente. A função da filosofia é aproximar-se o tanto quanto pode de uma tautologia, de um lógico-absoluto que fundamente todas as idéias que para ele apontem. Por isso mesmo, continuo aguardando melhores esclarecimentos. Suas breves intervenções, até aqui, foram inócuas, apenas reafirmaram o que já estava dito num post devidamente analisado e refutado.

      Excluir
    4. 1- Ter opinião contrária não é censura.

      2- Evidência que falo é a evidência cientifica, testável, etc. etc. leia sobre. Lembrando que testemunho ocular não é evidência cientifica.

      Excluir
    5. Uma evidência científica é o conjunto de elementos utilizados para suportar a confirmação ou a negação de uma determinada teoria ou hipótese científica. Para que haja uma evidência científica é necessário que exista uma pesquisa realizada dentro de preceitos científicos - e essa pesquisa deve ser passível de repetição por outros cientistas em locais diferentes daquele onde foi realizada originalmente.

      Excluir
    6. Euclides F. Santeiro Filho30 de maio de 2012 13:45

      Preciso sair da internet agora, mas depois respondo melhor suas mais recentes participações. Só não vale você dizer que não tem tempo e ficar lançando novos tópicos no debate sem aceitar ou refutar suas possíveis falhas argumentativa anteriores.

      Por hora deixo como provocação, sabedor de que o argumento é batido e repetitivo – porém não menos procedente -, uma pergunta referente a evidências científicas: “Qual a evidência científica de que o método científico é válido?”.

      Excluir
    7. sua provocação vou responder

      a evidência científica de que o método científico é válido é simples, estamos conversando não estamos? O avião esta no céu. O Facebook conecta 900 milhões de pessoas. Podemos ir por ai até não querer mais.

      Excluir
    8. Euclides F. Santeiro Filho30 de maio de 2012 16:09

      Putz, cara, na boa? É melhor você parar de dar essas respostas apressadas para a coisa não ficar feia pro seu lado. Não falo por mal não, mas do jeito que o negócio vai indo, o Yuri vai ter material para lotar algumas páginas do blog dele com pérolas suas.

      Quando eu disse:

      “...darei uma oportunidade para o cidadão "discutir as coisas em um nível menos baixo". Sinta-se a vontade em me refutar, Pedro, com argumentos melhores do que os usados até aqui por você.”

      Foi para valer quanto a elevar o nível do debate. Se você não se sente preparado para tal no momento, conforme ficou subtendido nessa frase:

      “Um dia com o devido tempo e "saco", coloco aqui de forma clara e esclarecida, com as devidas citações feitas de forma coerente e precisas, alinho o meu pensamento com as vertentes filosóficas, diversas.”

      Vai dar uma estudada, cara. Sério. Do contrário você vai tomar uma surra argumentativa que nem o Rodrigo Constantino vive tomando do Olavo de Carvalho. E não me mande “ler sobre” nada, Pedro, eu já li bastante sobre tudo o que estamos discutindo. Li o suficiente para entender que o meu ateísmo agnóstico não passa de uma concepção filosófica de mundo, tão carente de evidências quanto qualquer outra crença. Quem precisa ler, e bastante, é você. Só que tomando cuidado com o que lê, porque se não filtrar direito acaba dizendo coisas como essa do avião e do Facebook.

      Acho que poucos imaginavam as conseqüências danosas que um best seller escrito por um cientista-celebridade poderiam causar nas gerações seguintes quando o sonso do Stephen Hawking escreveu, há mais de vinte anos, aquelas bobagens sobre filosofia no “Uma Breve História do Tempo”. O mesmo fenômeno se repete com o Richard Dawkins e sua trupe, contaminando a cabeça de milhões de pessoas com chavões idiotizantes.

      Bom, os frutos dessas lavagens cerebrais são pessoas como um Eli Vieira, mestrando em biologia capaz de dizer que um ser humano não pode ser definido na concepção porque isso seria determinismo genético; um Pedro Soethe, pós-graduado capaz de dizer que a validade do método científico como ferramenta para dar “respostas definitivas” é dada pela existência do Facebook.

      Excluir
    9. Euclides F. Santeiro Filho30 de maio de 2012 16:10

      Indo mais direto ao ponto, Pedro, você não entendeu chongas nem do que eu disse, nem do que são ciência e método científico. Sua alegação foi a de que as evidências válidas numa discussão são as científicas, e quando eu perguntei qual a evidência científica disso você me respondeu “o avião”, “o Facebook”. Expandindo seu raciocínio, o que essa sua frase quer dizer é que os produtos tecnológicos que têm o método científico como uma das ferramentas para sua produção são a evidência científica de que “somente com a ciência é que podemos realmente conhecer”. Não percebe o absurdo desse raciocínio?

      Quer dizer que se eu perguntar qual a evidência de que a teoria do Big Bang aponta para uma verdade, em vez de sua resposta fundamentar-se em num materialismo metafísico filosófico, numa pressuposição de que a realidade sempre se comportou conforme os parâmetros que se apresentam atualmente, você vai me responder “um avião”, o “Facebook”???

      Pedrão, só para constar, aquela provocação é provocação porque a resposta possível é somente uma: o método científico não tem como se provar válido porque ele não está no conjunto de coisas que podem ser testadas pela ciência. Sua validade depende de uma fundamentação filosófica e, mesmo assim, apenas para o recorte da realidade por ele estabelecido. Não vou me alongar no assunto, mas nem preciso, pois isso é consenso entre todos os cientistas, cientificistas ou não. Não há controvérsia nesse ponto, você é que não está informado sobre as coisas que acredita. Acredita por fé cega, afinal de contas, se entendesse o que está falando, não diria:

      "Lembrando que testemunho ocular não é evidência cientifica.”

      “...ser passível de repetição por outros cientistas em locais diferentes daquele onde foi realizada originalmente.”

      Testemunho ocular não é evidência, apenas testemunhos oculares ad infinitum de cientistas, certo? Hahahahaha! Quer dizer que se durante uma cirurgia um médico testemunhar que dado remédio fez um sangramento diminuir, isso não pode ser tomado por uma evidência de que o remédio talvez tenha propriedades coagulantes? Sé o médico mostrar para outro médico e esse segundo também testemunhar o evento, aquilo é verdade somente para os dois ou verdade absoluta? Como eu que não estava lá posso confiar na alegação de que dada substância tem as propriedades que determinadas pessoas dizem que ela tem? Não é por testemunho ocular próprio? Se não, quer dizer que um fenômeno sem um observador é evidência suficiente de si mesmo? Mas para quem? Sem ter alguém que ateste a recorrência do fenômeno, como eu sei que conheço algo então?

      Também “podemos ir por ai até não querer mais”, mas só responderei quaisquer outras participações suas se você se der ao trabalho de responder com seriedade todas as refutações já estabelecidas.

      P.S.: Karl Popper não curtiu sua última resposta no Facebook do além. Fica a dica.

      Excluir
    10. desisto de você.

      até mais, fique a vontade para escrever o quanto quiser, mas você realmente não entende ciência.

      Abraço

      Excluir
    11. Euclides F. Santeiro Filho31 de maio de 2012 04:44

      Nada como “perder tempo” para deixar explícito o que já está subentendido.

      O seu “desisto de você” é a exata postura que condenou no Yuri, a que me fez comentar no seu blog para que você não pudesse alegar uma leviandade, uma injustiça no tratamento de suas idéias como “pérolas dos poucos”. Mas claro, como todo neo ateu que se preze, só é válido ser sucinto quando convém. Só que existe uma enorme diferença entre a sua atitude e a do Yuri. Ele tinha motivos suficientes para não querer debater com você, para apenas ridicularizá-lo - minha longa refutação não me deixa mentir. Estou esperando sentado a justificativa para sua desistência, aceitando, inclusive, que você me explique melhor o que é ciência, já que eu realmente não a entendo. “Do contrário, é blefe preguiçoso”.

      Excluir
  15. Euclides F. Santeiro Filho30 de maio de 2012 11:44

    "Exemplo do mosquito da dengue, vamos usar só a filosofia, sem a verificação cientifica, vou afirmar as seguintes coisas como premissas.

    1- Uma pessoa que tem a doença ao ser picada por um mosquito, passa a doença para o mosquito.
    2- Este mosquito com a doença ao picar outra pessoa sem a doença, passa a doença para esta outra pessoa.
    3- Esta pessoa com a doença se cura e passa a ser imune aquele tipo da doença.

    A pergunta é, usando somente a filosofia como base: Se um mosquito sem a doença picar uma pessoa já imune, e depois picar uma pessoa não imune, o mosquito passa a imunidade? Usando só a filosofia e os 3 pré supostos mencionados, a resposta é óbvia, SIM, ele irá passar a imunidade já que da mesma forma ele passou a doença."

    5 - Como eu já havia observado na caixa de comentários do blog do Yuri, você tentou desvalorizar a filosofia tomando-a por um mero silogismo. Você partiu da construção:

    1 - Todo homem é mortal;
    2 - Sócrates é homem;
    3 - Portanto, Sócrates é mortal.

    E chegou a uma conclusão no moldes de: se algum homem tiver gripe, Sócrates também terá gripe.

    Claramente você não compreende a técnica silogística e a critica levianamente. Sua "resposta óbvia" SIM, não só não é óbvia como é errada. "Usando só a filosofia", suas premissas para uma resposta óbvia deveriam ser:

    1 - Todo homem imune a uma doença, ao ser picado por um mosquito, replica essa imunidade para o mosquito;
    2 - Todo mosquito que carrega a imunidade de uma doença replica tal imunidade para a vítima de sua picada;
    3 - Portanto, todo homem picado por um mosquito que carrega a imunidade de uma doença ficará imune a essa doença.

    Seu erro está no fato de construir uma conclusão que não segue das premissas. Se:

    1 - Todo A que porta C, ao ser picado por B replica em B a característica C;
    2 - Todo B que porta C, ao picar D replica em D a característica C;
    3 - Logo, todo D picado por B que porta C receberá a característica C.

    De onde você tirou que?:

    1 - Todo A que porta C, ao ser picado por B replica em B a característica C;
    2 - Todo B que porta C, ao picar D replica em D a característica C;
    3 - Logo, todo D picado por B que porta C receberá a característica E. (Aqui está o seu erro!)

    --------------------

    ResponderExcluir
  16. Euclides F. Santeiro Filho30 de maio de 2012 11:48

    "Agora vamos olhar a natureza com ciência, e vamos descobrir que o mosquito não passa a doença, passa um vírus, e a pessoa curada não fica imune, mas o corpo "aprende" a combater aquele vírus. O mosquito não consegue depois transmitir este "aprendizado" para outro corpo, isto é, causa sem efeito, o corpo do curado sabe como combater, ele é picado, causa, e depois repassa para outro corpo que não sabe combater, qual efeito? NENHUM."

    6 - Você não está olhando, através do seu exemplo, a natureza com ciência, caro Pedro, mas sim com razão. A ciência é mera ferramenta que testa a validade de uma hipótese valendo-se de um recorte da realidade e de um método específico fundamentado em pressupostos filosóficos. Os fatos por si sós, tais quais as existências de vírus e sistemas imunológicos, não são capazes de alicerçar a sua pífia tentativa de analisar relações de causa e efeito. A constatação de um fato - os objetos caem - não diz nada de significativo a respeito da realidade; a hipótese científica - há uma força que os faz cair - não passa de uma teologia secular. Aliás, irônico um campo do conhecimento que trabalha com a causalidade abdicar dela quando se trata do surgimento do universo. Se certas coisas não carecem de causa, por que raios gasta-se tanto tempo para estabelecer uma teoria gravitacional? As coisas caem porque caem, horas, porque sempre foi assim.

    --------------------

    ResponderExcluir
  17. Euclides F. Santeiro Filho30 de maio de 2012 11:50

    "Então com a filosofia, podemos brincar em um vasto campo de possibilidades, mas somente com a ciência é que podemos realmente conhecer. Hawking e todos os cientistas tem como objetivo procurar a verdade, e não filosofias que não levam para lugar algum, a filosofia serve para montar premissas e não dar respostas definitivas, para respostas, precisamos da ciência, Hawking usa uma ciência avançada, baseada sim em observações, faltam mais dados? Sim. Mas este é o caminho da ciência e não da mágica de retirar argumentos da cartola filosófica."

    7 - Com a ciência moderna (vou usar esse termo porque é dela que um cientificista fala quando diz "ciência" também podemos brincar com um vasto campo de possibilidades, podemos "retirar argumentos da cartola". Por exemplo, dizer, dependentes de um materialismo filosófico, que a gravidade é uma força, que a velocidade da luz é constante em todo o universo e que sempre foi assim, que a órbita de um planeta com duração maior do que o tempo de vida de um observador é fato, que a macroevolução aconteceu, que o universo tem 13 bilhões de anos, que existe matéria negra, enfim.

    Hawking e todos os cientistas têm como objetivo a verdade? Mas qual verdade, a com v minúsculo ou maiúsculo? De qualquer forma, a verdade é invariavelmente acessível? O que podemos conhecer? Há verdade? O que é prático e funcional aponta para a verdade ou apenas para o que é prático e funcional? Se sim, Deus é verdade, já que ele é prático e funcional em todas as sociedades humanas conhecidas?

    Não quero confundir a sua cabeça, Pedro, mas até mesmo você com toda a sua dificuldade na compreensão do que é ciência e filosofia consegue reconhecer a hierarquia que se estabelece entre elas. Se "a filosofia serve para montar premissas", podemos dizer que há filosofia sem ciência, mas não há ciência sem filosofia. Quanto a dar "respostas definitivas", sugiro que você estude melhor o conceito atual de ciência antes de soltar esse tipo de frase, até porque você está dando uma definição diametralmente oposta à aceita por "Hawking e todos os cientistas". Se bem que você tem algo em comum com o Hawking:

    --------------------

    ResponderExcluir
  18. Euclides F. Santeiro Filho30 de maio de 2012 11:51

    "Na visão de muitos o pensar é um ato de filosofar, pensar errado ou certo são as conseqüências disto, mostro que só pensando não solucionamos nada na humanidade, precisamos de algo maior que a filosofia para dar sentido a vida, isto é a ciência."

    8 - Vocês tratam a ciência como certas pessoas tratam Deus, apenas como necessidade, ignorando o fato de que as reais características, tanto de Deus quanto da ciência, independem dos afetos dos sujeitos que os tomam como objetos. O foda é que a ciência eu sei que existe, assim como sei que ela claramente não é necessária - afinal a humanidade vive sem ciência; Deus eu não sei se existe, talvez não exista, mas sei que é bastante necessário - a humanidade, sem moralidade absoluta, é uma bomba-relógio. Só que, sobretudo, eu sei algo que você parece ignorar ao emular, agarrando-se à ciência na temeridade da ausência total de sentido na existência, o comportamento previsto por Nietzsche ante a decadência do cristianismo e ascensão da racionalidade técnico-científica. Acreditando no seu ateísmo e dormindo tranqüilo na cama que a Deusa ciência lhe preparou, tal qual um teísta gnóstico se aninha na certeza de um Deus, você não vai mudar o fato de que as coisas são como são e não como gostaríamos que fossem. Caso consiga, parabéns, você entrará em colapso com suas crenças, pois frente ao espelho, estará olhando nos olhos do Deus Pedro. Reflita.

    --------------------

    ResponderExcluir