quarta-feira, 10 de fevereiro de 2010

Moralidade independe de religião, diz estudo

Links para esta postagem
http://www.estadao.com.br/estadaodehoje/20100209/not_imp508375,0.php

Moralidade independe de religião, diz estudo



Crença divina seria produto, e não causa, de comportamentos sociais

Herton Escobar


De onde vem a religião? O fato de que todas as sociedades humanas conhecidas acreditam (ou acreditavam) em algum tipo de divindade - seja ela Deus, Alá, Zeus, o Sol, a Montanha ou espíritos da floresta - intriga os cientistas, que há tempos buscam uma explicação evolutiva para esse fenômeno.

Seria a religião uma característica com raiz evolutiva própria, selecionada naturalmente por sua capacidade de promover a moralidade e a cooperação entre indivíduos não aparentados de uma população? Ou seria ela um subproduto de outras características evolutivas que favorecem esse comportamento social independentemente de crenças religiosas?

A origem mais provável é a segunda, de acordo com um artigo científico publicado ontem na revista Trends in Cognitive Sciences. Os autores fazem uma revisão dos estudos já publicados sobre o tema e concluem que nem a cooperação nem a moralidade dependem da religião para existir, apesar de serem influenciadas por ela.


"A cooperação é possível graças a um conjunto de mecanismos mentais que não são específicos da religião. Julgamentos morais dependem desses mecanismos e parecem operar independentemente da formação religiosa individual", escrevem os autores. "A religião é um conjunto de ideias que sobrevive na transmissão cultural porque parasita efetivamente outras estruturas cognitivas evoluídas."

O artigo é assinado por Ilkka Pyysiäinen, da Universidade de Helsinki, na Finlândia, e Marc Hauser, dos Departamentos de Psicologia e Biologia Evolutiva Humana da Universidade Harvard, nos Estados Unidos.

Em entrevista ao Estado, Hauser disse que a religião "fornece apenas regras locais para casos muito específicos" de dilemas morais, como posições sobre o aborto ou a eutanásia. Já questões de caráter mais abstrato são definidas com base numa moralidade intuitiva que independe de religião.

Estudos em que pessoas são convidadas a opinar sobre dilemas morais hipotéticos mostram que o padrão de julgamento de religiosos é igual ao de pessoas sem religião ou ateias. Em outras palavras: a capacidade de distinguir entre certo e errado, aceitável e inaceitável, é intuitiva ao ser humano e independe da religião, apesar de ser moldada por ela em questões específicas.

"Isso pode sugerir como é equivocado fazer juízos sobre a moralidade das pessoas com base em suas religiões", disse ao Estado o pesquisador Charbel El-Hani, coordenador do Grupo de Pesquisa em História, Filosofia e Ensino de Ciências Biológicas da Universidade Federal da Bahia. "Entre os ateus, assim como entre os religiosos, há a variabilidade usual dos humanos. Há ateus tão altruístas quanto Irmã Dulce, assim como há religiosos tão dados à desonestidade e a faltas éticas quanto pessoas não tão religiosas."

Segundo Hauser, o ser humano não tem uma propensão a ser religioso, mas sim a buscar causas e propósitos para o mundo ao seu redor - o que muitas vezes acaba desembocando em alguma forma de divindade. Nesse caso, a religião seria um produto da evolução cultural, e não da evolução biológica. "O fato de algo ser universal não significa que faça parte da nossa biologia", diz o pesquisador de Harvard.

Ele e Pyysiäinen sugerem que "a maioria, se não todos, dos ingredientes psicológicos que integram a religião evoluiu originalmente para solucionar problemas mais genéricos de interação social e, subsequentemente, foi cooptada para uso em atividades religiosas."

Ao estabelecer regras coletivas de conduta, a religião funcionaria como uma ferramenta de incentivo e controle da cooperação - tanto pelo lado da salvação quanto da punição. "Que a religião está envolvida na cooperação não há dúvida. Mas dizer que ela evoluiu para esse propósito é algo completamente diferente", afirma Hauser.

 
É incrível ler um texto com tantos pontos lógicos e visivelmente óbvios, fico feliz de já ter escrito uns 3 ou 4 post´s falando exatamente isto, e como leitor voraz de biologia evolutiva já sabia que a religião não é um produto da evolução biológica, logicamente é só mais uma das muitas heranças culturais que os humanos adquiriram em sua caminhada pelos eons. Costumo imaginar a muitos e muitos anos atrás, uma disputa entre um humano primitivo mais cientifico, que tenta achar suas respostas em analise da natureza e um mais poético e inventivo, que foi o primeiro a criar um ser extra-humano, que lhe deu a criação de tudo no mundo, assim lembro da frase do Millor Fernandes "Quando o primeiro espertalhão encontrou o primeiro imbecil, nasceu o primeiro deus." E acreditar em deus é bem mais fácil que conseguir achar uma explicação para tudo, é bem mais simples sentarmos em nossas cadeiras e dizer que não tem explicação e que é obvio (?) que foi deus.


Este estudo remonta também no nosso grande Freud que explicou a necessidade humana por um deus pai todo poderoso.


“... [a religião é] um sistema de doutrinas e promessas que, por um lado, lhe explicam os enigmas deste mundo com perfeição invejável e que, por outro lado, lhe garantem que uma Providência cuidadosa velará por sua vida e o compensará, numa existência futura, de quaisquer frustrações que tenha experimentado aqui. O homem comum só pode imaginar essa Providência sob a figura de um pai ilimitadamente engrandecido. Apenas um ser desse tipo pode compreender as necessidades dos filhos dos homens, enternecer-se com suas preces e aplacar-se com os sinais de seu remorso. Tudo é tão patentemente infantil, tão estranho à realidade, que, para qualquer pessoa que manifeste uma atitude amistosa em relação à humanidade, é penoso pensar que a grande maioria dos mortais nunca será capaz de superar essa visão da vida. Mais humilhante ainda é descobrir como é vasto o número de pessoas de hoje que não podem deixar de perceber que essa religião é insustentável e, não obstante isso, tentam defendê-la, item por item, numa série de lamentáveis atos retrógrados.” Sigmund Freud

terça-feira, 2 de fevereiro de 2010

Homeopatia

Links para esta postagem
Algumas reportagens sobre Homeopatia


http://g1.globo.com/Noticias/Mundo/0,,MUL1321941-5602,00-CASAL+E+CONDENADO+POR+HOMICIDIO+POR+TRATAR+BEBE+COM+HOMEOPATIA.html

http://g1.globo.com/Noticias/Ciencia/0,,MUL1468886-5603,00-CETICOS+VAO+TOMAR+OVERDOSE+DE+REMEDIO+HOMEOPATICO+PARA+PROVAR+SUA+INEFICIEN.html

http://g1.globo.com/Noticias/Ciencia/0,,MUL1275383-5603,00-OMS+ALERTA+PARA+RISCO+DE+HOMEOPATIA+CONTRA+AIDS+E+MALARIA.html

A demora latente às vezes de algumas instituições de saúde para proibir os “remédios” homeopáticos vem prejudicando cada vez mais os esforços de milhões de cientistas e médicos alem de colocar vidas em risco. Estas instituições tentam preservar a liberdade de escolha em certos casos justificando o uso da Homeopatia como algo que não trás nenhum mal para a saúde e seu efeito placebo poderia ajudar as pessoas que sofrem de doenças assintomáticas. Mas conforme as reportagens acima, estamos observando o uso irracional de deste remédio que não passa de água misturado com álcool, em vários locais os homeopatas estão cada vez mais infiltrados nos sistemas de saúde e usam da ingenuidade publica para tentar tratar doenças sintomáticas esta na hora de dar uma basta a este tipo de enganação que junto com a astrologia são as principais pseudociências deste começo de século, e elas só não são ineficientes como também são prejudicais a ciência e a sociedade.

segunda-feira, 1 de fevereiro de 2010

Lógica

Links para esta postagem
Se deus não quisese os descrentes não teria inventado a lógica, no mundo tudo é comandado pela lógica então porque os crentes insistem em dizer que deus não tem lógica? Deus é um ser ilógico que criou a lógica? Isto não tem a menor lógica.