terça-feira, 10 de abril de 2012

Uma meme do Willy Wonka


11 comentários:

  1. Euclides F. Santeiro Filho1 de junho de 2012 05:08

    Hahahahahahahaha!!!

    É, lendo um pouco mais do seu site já vi que estou dando murro em ponta de faca (e quando não estou?).

    Nem vou argumentar nada sobre esse post aqui na caixa de comentários, vou pagar na mesma moeda:

    http://memegenerator.net/instance/21296819

    ResponderExcluir
  2. ...Será que não pensaste que ele (o Homem) acabaria questionando e renegando até tua imagem e tua verdade se o oprimissem com um fardo tão terrível como o livre arbítrio?...

    é amigo na boa você é tão fraquinho quanto o Yuri, tenho meus problemas em me expressar, mas vocês são ruins de pensar, acham que pensam certo, mas desculpe te falar isto, vocês estão errados. E um dia com muita calma e paciência, que não tenho agora, irei mostrar isto para vocês. Como já mencionei em outros post´s estou começando um curso de português. E vou ler um pouco mais sobre filosofia, mas o chato é que toda a minha argumentação, contra esta besteirada que vocês falam aqui, já existe, nos filósofos que vocês não leem. Mas o problema de ser Ateu é isto, tem que saber tudo, até esta filosofia songa monga, que vocês defendem. Mas não quero "um blefe preguiçoso", não tenho tempo mesmo.

    ResponderExcluir
  3. a frase foi tirada do livro Os Irmãos Karamazov, fica a dica de leitura.

    ResponderExcluir
  4. Euclides F. Santeiro Filho1 de junho de 2012 17:31

    É para rir ou para chorar?

    Vai citar Dostoiévski? E justamente o livro em que ele debulha (i)moralidade que emerge de ateísmo de moralidade absoluta (no caso, a cristã)?

    Se Popper, lá no Facebook do além, já tinha te dado um “não curti”, Dostoiévski acaba de bloquear você no Twitter do outro mundo. Quem mandou dar RT de uma frase dele sem ter lido (ou entendido) o livro de onde você a tirou?

    Pedrão, essa frase aí é uma crítica ao homem e não a Deus. E explica exatamente o que é o livre-arbítrio, algo que você confunde com onipotência.

    “...você é tão fraquinho quanto o Yuri, tenho meus problemas em me expressar, mas vocês são ruins de pensar, acham que pensam certo, mas desculpe te falar isto, vocês estão errados. E um dia com muita calma e paciência, que não tenho agora, irei mostrar isto para vocês.”

    Não posso falar por terceiros, mas, particularmente, espero estar vivo até lá.

    “E vou ler um pouco mais sobre filosofia, mas o chato é que toda a minha argumentação, contra esta besteirada que vocês falam aqui, já existe, nos filósofos que vocês não leem. Mas o problema de ser Ateu é isto, tem que saber tudo, até esta filosofia songa monga, que vocês defendem.”

    Filosofia songamonga, tipo a sua explicando que mosquitos transmissores de doenças também deveriam transmitir imunidades, não defendo. Ipso facto, gostaria de saber qual afinal é sua “argumentação” e quais são os “filósofos que não li” que a sustentam. Talvez eles tenham mais em comum comigo, defendam uma filosofia embasada, aquela que os papagaios de cientificistas desconhecem, aquela que ajuda a fundamentar o método científico que tanto amam. Amam, mas não respeitam (ah ciência mulher de malandro!), pois costumam partir de uma conclusão (vocês estão errados) e, a posteriori, buscar fatos que a corroborem (ler um pouco mais). Mas cuidado, Pedro, às vezes, no processo, pode-se encontrar algo não só surpreendente, mas assustador: a verdade. E a verdade pode ser você estar errado.

    ResponderExcluir
  5. Sim a verdade pode ser eu estar errado. Mas com evidências e fatos, isto não será problema para mim. Mas para você, não sei como consegue eliminar em seu cérebro, um fato, como por exemplo, eu estar andando na rua e ser assaltado, é OBVIO, que eu não quero ser assaltado, como diabos você consegue ver que existe livre arbítrio? Como pode uma pessoa morrer em uma acidente aéreo? Ela quer aquilo? Sabe é tem que ser muito hipócrita para achar isto.

    E quem não leu o livro foi você, o livro é claro como água. Caos. Entende isto? Não né, você acha que existe alguém controlando o mundo. rsrsrs

    ResponderExcluir
  6. Euclides F. Santeiro Filho2 de junho de 2012 14:19

    E quais evidências e fatos você exige para que fique provado que você está errado sobre o livre-arbítrio, só para eu me localizar?

    Antes de tudo, coloca uma coisa na sua cabeça: livre-arbítrio ≠ onipotência; livre-arbítrio ≠ liberdade. Somos invariavelmente submissos às coisas que não dependem de nossa vontade, com ou sem um Deus. Arbítrio só pode ser fruto de uma consciência, mínima que seja. Uma pedra não pode arbitrar nada; você pode.

    A não ser que o Sr. Facebook aí ache que não escolheu responder o meu comentário, que na verdade somos máquinas biológicas com a ilusão de que somos capazes de tomar decisões. Cairia no problema de ter que dizer quem toma a decisão então, se há alguém que toma, ou se não existe decisão porra nenhuma. Escorregaria para um solipsismo às avessas, um materialismo non sense determinante de que na verdade essa conversa que estamos tendo não é uma conversa, que nem eu nem você somos agentes e que tudo o que eu estou dizendo agora é apenas uma manifestação caótica do cosmos através de rabiscos que nós (nós? É possível dizer nós? É possível dizer eu?) chamamos de letras. Seu discurso não valeria nada, até porque “você” nem existiria, existiria um punhado de matéria com igual valor a uma pedra (não que, no seu caso específico, isso não tenha lá seu fundo de verdade).

    A respeito de Dostoiévski temos que colocar as coisas nos seus devidos lugares. Para começar, eu nunca disse que havia lido “Os Irmãos Karamazov” - do autor só li “Crime e Castigo”, não significando isso que eu não conheça a obra do infeliz. Há diversas maneiras de você ter contato com idéias, Pedro, maneiras diretas e indiretas. Existem as biografias, historiografias e outras coisitas mais (tipo conviver com pessoas que leram o livro e relatam de maneira homogênea seus aspectos centrais). Acontece que a interpretação da frase ou a do conteúdo do livro não vêm ao caso, pois eu não poderia falar em nome da própria pessoa que a cunhou – só Dostoiévski sabe o que quis dizer. Duvido muito que ele não estivesse sendo irônico e criticando o homem ao usar e expressão “fardo”, querendo passar a idéia de ser muito mais confortável uma existência sem responsabilidades, feito a de um robô a serviço de seu criador. Seres sem livre-arbítrio podem questionar o livre-arbítrio? Mas, independentemente de uma leitura fiel às intenções do autor, independentemente do fato de você querer usar em defesa do ateísmo a densa análise que um cristão ferrenho faz dos conflitos morais emergentes da modernidade (por isso fiz a piada do RT), é A SUA concepção de livre-arbítrio que esta sendo analisada e não as opiniões do escritor russo. Deixemos Dostoiévski em paz, sim?

    Para finalizar, comentando sobre o “caos” e sobre “alguém estar controlando o mundo”, só posso dizer que além de não saber escrever muito bem você não sabe ler. Porque eu já disse que sou ateu agnóstico e nunca neguei a realidade caótica em que existimos. De onde você tirou que haver caos exclui um Deus é que eu gostaria de saber, pois caos ou ordem são meras inferências de um observador contingente a um mundo físico acerca da realidade que suas limitações o permitem apreender. Vai dar uma estudada na Bíblia para ver se entende direito o negócio da expulsão de Adão e Eva do paraíso, daí nós conversamos sobre o caos, ok? E também dá uma lida sobre mecanicismo, reducionismo e cientificismo, para captar melhor quem é que não aceita o caos e tem a mania de querer “controlar o mundo”.

    ResponderExcluir
  7. Livre-arbítrio é basicamente a expressão usada para significar a vontade livre de escolha, as decisões livres.

    não há prestidigitações de interpretação nem casuísticas de linguagem que admitam uma leitura diferente. Um pedra arbitra o seu futuro, tanto quanto eu posso arbitrar o meu. É ridículo achar que temos controle potencial sobre nossas vidas, CAOS. É muito estranho você achar que o mundo é arbitrado por seres contingenciais. Estamos em uma redoma, nossas ações são limitadas, e não igualitárias. Veja bem, eu posso, em certo momento, arbitrar marta alguém, mas não posso em nenhum momento arbitrar restaurar a vida de alguém. Esta filosofia de uma via só, malintencionada e infantil não serve, para eu tentar entender o mundo.

    E sobre Dostoiévski, você realmente deveria ler o livro. Aqui mais uma passagem

    Quando a humanidade, sem exceção, tiver renegado Deus (e creio que essa era virá), então cairá por si só, sem antropofagia, toda a velha concepção de mundo e, principalmente, toda a velha moral, e começara o inteiramente novo. Os homens se juntarão para tomar da vida tudo o que ela pode dar, mas visando unicamente à felicidade e à alegria neste mundo. O homem alcançará sua grandeza imbuindo-se do espírito de uma divina e titânica altivez, e surgirá o homem-deus. Vencendo, a cada hora, com sua vontade e ciência, uma natureza já sem limites, o homem sentirá assim e a cada hora um gozo tão elevado que este lhe substituirá todas as antigas esperanças no gozo celestial. Cada um saberá que é plenamente mortal, não tem ressurreição, e aceitará a morte com altivez e tranquilidade, como um deus. Por altivez compreenderá que não há razão para reclamar de que a vida é um instante, e amará seu irmão já sem esperar qualquer recompensa. O amor satisfará apenas um instante da vida, mas a simples consciência de sua fugacidade reforçará a chama desse amor tanto quanto ela antes se dissipava na esperança de um amor além-túmulo e infinito.

    Nossa se ele estava sendo irônico, não sei mais o que é ironia. E isto foi irônico.

    ResponderExcluir
  8. Deste não vou citar o autor e nem o livro. Tenho aqui comigo, que você lê somente, o que faz encaixar em suas vontades pessoais.

    "...A eventualidade de que a Deus sejam igualmente indiferentes o sim e o não, o bem e o mal, não pode entrar em cabeças como foram feitas as nossas, porque, enfim, Deus sempre há-de servir para alguma coisa..."

    NÃO EXISTE LIVRE ARBÍTRIO.
    Aceite isto e viva feliz.

    ResponderExcluir
  9. Euclides F. Santeiro Filho2 de junho de 2012 15:38

    ***CORRIGINDO***

    Faltam parênteses, pelo bem de uma leitura não caótica, no excerto:

    "...pois caos ou ordem são meras inferências de um observador (contingente a um mundo físico) acerca da realidade que suas limitações o permitem apreender."

    ResponderExcluir
  10. Euclides F. Santeiro Filho2 de junho de 2012 17:16

    “Uma pedra arbitra o seu (da pedra) futuro, tanto quanto eu posso arbitrar o meu.”
    (Pedro Soethe)

    “Não discuto burrices.”
    (Yuri S. C.)

    Ok, Pedro pedra, você venceu.

    Não existe livre-arbítrio, não foi você que me respondeu e essa discussão é mera obra do acaso cego. Mas espera, se ele é cego, não tem controle sobre si mesmo, não pode impedir que dele surjam fenômenos parcial ou totalmente autônomos. De um acaso cego pode surgir algo que domine o acaso cego, pode surgir um Deus, pode surgir até um Pedro Soethe. Mas o livre-arbítrio? Não! Esse não! O caos tem lá suas regras, né não? Regras? Ordem no caos? Oh, Jesus, onde vamos parar? No Deus caos? Que caos!

    No mais, você continua batendo a cabeça na parede, numa espécie de masoquismo retardado que só serve para lhe expor ao ridículo. Usando termos complicados sem saber escrever da maneira mais simples; inserindo desonestamente palavras (“futuro”, “restaurar a vida”) depois do verbo arbitrar, como se tudo pudesse ser arbitrado - a já citada confusão dos conceitos de livre-arbítrio e onipotência; descontextualizando o pobre do Dostoiévski quando eu já havia pedido para você deixá-lo em paz; citando ateus de quinta categoria como o Saramago (não precisa dizer nome de autor quando existe Google); e construindo sentenças contraditórias com a certeza plena de estar dizendo a mais inteligente das verdades já proferidas.

    Impossível eu aceitar que “não existe livre-arbítrio”, caro Pedro pedra, porque se de fato não existe, eu não posso aceitar nada. Nem mesmo que o Yuri é mais sábio do que eu.

    ResponderExcluir
  11. Lá se vai mais um. Contingencia meu amigo contingencia.

    Th-th-th-that's all folks!

    ResponderExcluir